Sugestões de Leitura

A Revista da Tradição Lvsitana nº 0

Neste número abordamos temas caros à Tradição: O que é Sageza? De que História e histórias é feita a nossa Tradição? Que cantos e contos a narraram através dos tempos? De que corpo de vozes e experiências e testemunhos se fez e se faz o nosso Caminho? Através de que artes de Cura e Divinação se doou a Tradição aos outros? De que Bosques e Clareiras viemos e como os habitamos? De que palavras se diz a nossa Palavra? Neste número fazemos Comunidade partilhando Valor. A nossa Comunidade celebra Autonomia, Liberdade e inclusão de Todos os seres na Comunidade de Afectos que é a Tradição Lusitana. O nosso Projecto é a reintegração de Portugal nessa vasta comunidade de pertença que é a Lusitânea. A nossa Vocação é uma amorosa ética onto-antropológica. Evocamos a Lembrança do que fomos – do que sempre fomos – a continuidade de uma Tradição em Amor. Invocamos, presentificamos e actualizamos os Referenciais Matriciais da Tradição Lusitana. Vivemos em revolucionária Esperança de um Futuro que sempre foi hoje, agora e aqui, nesta Clareira Comunitária: Nós. Queremos mundar o mundo. Leitora e leitor Amigos, queremos que venham mundar connosco o mundo. Essa é a revolução maior que procuramos: realizar uma Alquimia da Alma na Alma Comum de todos nós.

A Revista da Tradição Lvsitana nº 2

Neste nosso número evocamos e celebramos a Espiritualidade Atlântica que une a nossa Comunidade por esse mundo fora a partir dos mitos, das culturas e dos rituais que revisitamos, como Oceano comum que são da nossa Tradição, que aqui também dizemos Hiperbórea e Atlante. Caudalosa como os rios que nos unem e navegamos, ínfima como o secreto gotejar das fontes que marca o compasso dos nossos corações. Infinita como a respiração dos cursos de água na sua determinação, fado, ensejo e vontade de reunião nessa grande foz comum feita da matéria fluída da pluralidade de Vozes que em nós recontam e cantam os feitos, os trabalhos e os dias dos nossos Ancestrais.

​Partimos, assim, na senda dessa Ilha-Bem-Aventurada, desse Continente perdido que é o Oceano ou o Mar a que todos os nossos rios aportam: a Espiritualidade Atlântica, esse mito que irradia Luz na cultura dos povos da mundividência pan-céltica. Um mito que mais do que nos informar acerca de uma origem comum, nos adverte e exorta à reflexão ética sobre o problema do nosso devir no mundo e da nossa responsabilidade como guardiões de uma Tradição que é “território mítico que já houve e território mítico a haver”, nas palavras do filósofo luso Pinharanda Gomes que connosco vem, também, neste número partilhar reflexões, conhecimentos em torno do mito da Atlântida, essa «verosimilhante história», pela primeira vez contada pelo filósofo Platão no Timeu (29 d)… Destacamos, pois, e agradecemos a honra desta presença e desta partilha de Pinharanda Gomes, um dos maiores filósofos lusitanos vivos, com ampla bibliografia publicada sobre filosofia, história da filosofia, teologia, hagiografia, filomitia… E é na sua esteira que revisitamos o mito da Atlântida e nele inscrevemos, em humildade, a nossa demanda e o nosso lugar de pertença

A Revista da Tradição Lvsitana nº 4

A Primavera aportou à Lusitânia Água fertilizadora e Luz inspiradora que nesta nossa Revista se manifesta na participação e união de Irmãs e Irmãos, Amigas e Amigos da Tradição Céltica em torno de um propósito comum, os «Lumes e Costumes na Tradição Céltica» como a Luz da Lareira Comunitária que aqui recordamos, preservamos, guardamos e recriamos.

Celebramos, também, neste número a construção, iniciada na Primavera passada, do nosso Nemeton Mātīr Nemet e do nosso Castro ou da nossa Roundhouse Céltica Lusitana no Centro Druídico da Lvsitânea, bem no coração das terras ancestrais dos Celtici, lugar que nos escolheu e acolheu e onde acolheremos, também, o próximo Encontro da Celtic Druid Alliance. O presente número desta nossa Revista celebra, deste modo, em lembrança do passado, alegria amorosa do presente e esperança no futuro da nossa Tradição Primordial comum, o Encontro e a União em Amor e Liberdade das Tribos Célticas na sua radical originalidade, diversidade, união e universalidade. À boa maneira Celta, sentamo-nos, sobre a Terra, em torno do Lume da fogueira, envoltos pelo Ar das brumas do anoitecer e partilhamos Vida até ao raiar da primeira Luz da aurora. Leitora e Leitor Amigos, venham sentar-se connosco na Roda, bem-vindos à Partilha!

A Revista da Tradição Lvsitana nº 6

Estimados leitores e leitoras da Revista da Tradição Lusitana, eis que aportamos ao número sexto deste nosso Caminho editorial que, passo a passo, vamos inscrevendo na Roda do Ano. Não é por acaso que coincidem os dois lançamentos semestrais da Revista da Tradição Lvsitana com as duas celebrações de liminaridade do nosso Calendário Celta, Samónios e Beltane, momentos privilegiados de atravessamento de Portais, de transcensão e de comunicação entre Mundos. Eis-nos, então, no presente número, face ao Portal de Beltane que o trás a Lume no contexto das festividades dos Maios Lvsitanos. 
Leitora e leitor Amigos… as fogueiras de Beltane já se alumiam pelas cumeadas dos montes e já dançam as moças e os moços em redor dos mastros, entrelaçando cânticos e fitas, as Canções dos Maios, … venham peregrinar connosco aos santuários sagrados, reacender as Fogueiras de Maio, partilhar cantos e danças primaveris, junto à fogueira e conhecer os cantos e contos,… as narrativas da Lvsitanea ditas por um crepitar de Lumes.

BOLETIM HY BRASIL

As antigas lendas da velha Irlanda mencionam uma Ilha Mítica, escondida por uma neblina mágica, onde viviam os seres iluminados, tal qual uma espécie de Paraíso na Terra, ou como o Outro Mundo dos Celtas. Esta ilha, chamada Hy Brasil, aparece em mapas e cartas náuticas já do século XIV e há quem defenda que esta possa ser a verdadeira origem do nome de nosso país. Dizem que o monge e navegador irlandês Brandão de Adfert e Clonfert, também chamado São Brandão, relata em suas viagens uma passagem por esta que foi chamada de Ilha Afortunada. Navegar é preciso, disse o poeta Fernando Pessoa e é subindo a bordo de um barco que podemos viajar pelo Grande Mar do fundo da Alma, para seguirmos nossa jornada em direção ao Mundo Branco do qual fala nossa Tradição Primordial. Que este boletim, recolhendo os saberes de diversos navegadores da senda Druídica, possa ser este barco onde possamos juntos seguir em nossas Immrama. Que este boletim possa fortalecer laços e assim fomentar uma verdadeira e autêntica Tradição Druídica Brasiliana. Sim, Brasiliana e não simplesmente Brasileira. Não queremos uma Tradição Druídica apenas nascida neste país, mas sim comprometida com esta Terra Sagrada, onde a nossa Ancestralidade possa ter voz e corpo. Uma Tradição que permita que, ao nos olharmos no espelho, possamos reconhecer nossa face. Navegadores do passado enfrentaram o mar para encontrar a Ilha Afortunado, mas nós, brasilianos, nascemos aqui e por isso já somos nós mesmos afortunados. É chegada a hora de fazemos o caminho de volta; de cruzarmos novamente o Atlântico, agora no sentido contrário, para que possamos unir as espiritualidades ancestrais e criarmos nossa identidade. Ao Mar, nobres e valentes navegantes! Juntos podemos ir muito mais longe!

/|\ Gaesum Bach 

Pelos Trilhos da Sabedoria: Celta e Oriental

Nesses momentos guindados pelo Infinito, deveríamos viver para lá de toda a esperança e de todos os homens que não amam, pois que dormem e não fazem o tempo.

E para lá do Amor-próprio e do próprio Amor, numa linguagem quase telúrica, holística, onde os gestos se respiram como sinal único de um acontecimento que não jorra neste mundo.

Na Clareira do Eu

Existe como que uma diástole bucólica que atravessa toda a obra poética de Mara Rosa, como se de paisagens ou finas camadas de paisagens íntimas e crivadas de sentimentos aprisionados se tratassem, acusando, a cada instante do seu respirar, de pequenez as palavras por não conseguirem dizer tudo de si. Assim, e por isso, não o dizendo, as suas formas vêm-se ciclicamente ultrapassadas por conteúdos poéticos que se dizem ‘sustenidos’, ou de forma sustenida, isto é, “sons de dentro” que gritam inscrições de alma sua a cada grafo linguístico, como que pretendendo atravessar um qualquer último e seco restolho estival para fazer ecoar pela planície de um Alentejo profundo que é pertença sua.

É a expressão “todos os dias o amor ama um pouco mais aquilo que ama”, de F. Rosenzweig, que melhor traduz a cadência poética de Mara Rosa, na qual se é verdade que existe uma certa variação predicativa, no que respeita aos assuntos coligidos, tal predicação remete-nos invariavelmente para uma fonte, terra ou raiz, atitude própria de quem diz sempre de si dizendo o outro, ou melhor, própria de quem canta os passos dados em comunhão natural com o seu ‘eu’ mais profundo e, diria até, insubornável.

A Revista da Tradição Lvsitana nº 1

Neste número da nossa Revista escutamos em «Sobre a Sageza» a Voz do nosso estimado Druída /|\ Adgnatios que, porque «Dizer é algo mais que falar», nos convida a que com ele reflictamos acerca Da Essência da Palavra Sábia. O que é falar? Ouvir? Dizer? Escutar? Sobre a Sageza meditamos acerca dos sentidos de Caminhar em Imram, em Comunidade. Acerca da inscrição das histórias da nossa Tradição n’Os Contos e n’Os Cantos da Lusitânia, refazemos parte dos nossos Caminhos Ibéricos, Europeus e Universais. Em Da Cura e Da Divinação, escutamos o rumor das águas dos rios brasileiros e dos seus segredos e cantos, germinação outonal e reflorescimento primaveril, de cada um dos lados do nosso hemisfério comunitário. Das Clareiras e dos Bosques da Irlanda e da França nos aportam ventos ou palavras acerca do nosso nemeton comum: a Natureza e suas Leis e Mistérios; as nossas Deusas, Deuses, rituais e cerimónias; ou acerca do Sal e do Pão e do Hidromel e de como a sua presença em várias tradições assinala a ancestralidade da nossa Tradição Primordial. Dos Testemunhos e dos Tempos propõe-nos que sigamos no encalço da trilha mítica de Merlin, percorrendo registos históricos, lendas e narrativas e também se dá testemunho, em partilha, dos ciclos da nossa Tradição e do modo como cada um de nós vive cada uma das nossas celebrações Comunitárias. Seguimos, assim, também, pelos Trilhos de Melindör, em demanda da Luz que inflama os nossos corações e da melodia da harpa que vibra em nós a melodia das Pedras e das Árvores ancestrais, memória querida ou eco das Vozes dos nossos Antepassados que, em cada canto nosso, desperta e revive pelas clareiras. Pelos Trilhos de Achale rememoramos a ciência antiga das plantas, seus dons, nomes e segredos, revisitamos a roda litúrgica, suas luzes, sombras e cores. Escutamos e dizemos as vozes de Tudo e de todos que em Nós e connosco caminham, porque Imram é um trilho aberto e feito pela irmandade de todos nós.

A Revista da Tradição Lvsitana nº 3

Neste número, com o nosso muito estimado Arqui-Druida /|\ Adgnatios, percorremos os trilhos da Sageza da «Druidade», «pelos Reinos Interiores de uma Alma Amanhecente», «como se do itinerário do ciclo natural do Sol se tratasse», num «movimento elíptico» mono-dialógico, que importa percorrer e meditar, nestes tempos de redespertar e de realvorecer da nossa Tradição. Em do Conto e do Canto revisitamos caminhos que interessa voltar a percorrer e que são os dos nossos bardos e aedos da transição do século XIX para o século XX e que tão significativos foram para a história da literatura e da cultura, dita europeia, e que tão alto significado têm hoje para nós nesta Luz amanhecente do redespertar da Pan-Céltia. Em da Cura e da Divinação continuamos, entre os «Arbustos e [as] Árvores da Lvsitânea», «exemplos de Virtude para uma Egrégora Lusitana» a escutar «a Sabedoria das Árvores». Das Clareiras e dos Bosques chegam as Vozes Brasilianas e Galaicas, indagando a primeira acerca do redespertar da Céltia desde a antiguidade e a segunda, acerca desse redespertar aqui e agora «What would our ancestors think of us?» é a interrogação fundamental a que somos convidados a responder... Em dos Testemunhos e dos Tempos escutamos… a narrativa escatológica da nossa Tradição através dos olhos dos sábios e até daqueles que a combateram… Revivemos a experiência do campus ou do pagus dos jovens arqueólogos que participaram no re«erguer do nosso Nemeton, o Cromeleque Mātīr Nemet», que tão alta importância tem neste «(Re)Nascer da Mátria Lusitana». Escutamos, no Momentum Metáxis em entrevista concedida à nossa Revista, as palavras avisadas do filósofo e historiador Pinharanda Gomes. Escutamos ainda Contos à Lareira e todo um Glossário Temático sobre os seres misteriosos e esquivos que povoam os nossos campos. Provamos os Saberes em forma de Sabores da nossa Tradição. E seguimos pelos Trilhos…

Venham caminhar connosco, leitora, leitor Amigos.

A Revista da Tradição Lvsitana nº 5

Entre o ano que termina e o ano que começa, entre a Luz e o tempo Escuro, entre o Dia que fenece e a Noite que se inicia, fica a celebração de Samónios. Não é por acaso que escolhemos este acontecer da Liminaridade, do umbral ou da passagem entre mundos para lançar o presente número da nossa Revista da Tradição Lusitana, sob a égide do tema d’ A Supervivência do Sagrado. Aqui meditamos, rememorando, o nosso percurso no ano que ora finda, lembrando o nosso acontecer comunitário; aqui preparamos, em antecipação e com expectativa, o ano que há-de vir, em esperança partilhada por todas e todos. Leitora e Leitor Amigos venham connosco acender as Luzes de Samónios, percorrer os trilhos da supervivência do Sagrado.

A Revista da Tradição Lvsitana nº 7

Estimadas leitoras e leitores da Revista da Tradição Lusitana, eis-nos chegado ao Portal de Samónios, ao fim de uma Roda do Ano e ao início de outra. Tempo, pois, de aferir do valor das nossas realizações comunitárias, tempo de fecho de um ciclo e de abertura de outro. Este tempo-sem-tempo e este espaço-sem-espaço de Samónios é particularmente significativo para a ATDL. Estes últimos três anos, transcorridos entre o primeiro Gathering da Celtic Druid Alliance, na Irlanda, e o segundo Gathering realizado em Portugal, foram um tempo de intensos trabalhos e tribulações para a ATDL que empreendeu a Obra da Construção do Centro Druídico da Lvsitânea, no espaço identificado como o lugar onde outrora havia existido e sido a Casa da tribo dos Celtici, em pleno Além Tejo, entre os rios Tagus e Anas.

Será também, a partir de agora, neste novo Ano da Roda que se iniciará um tempo de novos trabalhos, investigações e partilhas, no espaço do Centro Druídico, dando, assim, a ATDL continuidade ao seu labor, através de Celebrações, Festividades, palestras e… novas construções materiais e espirituais, ao redespertar da identidade e da pertença célticas no lugar mesmo da sua eclosão e, neste tempo outro de actualidade. Fazendo Tempo e Espaço para que a Lembrança e a Esperança de uma Ancestralidade, uma ascendência e uma descendência proto-celtas e celtas aconteçam, como aquela linha contínua que liga, na Fogueira da Celebração do Samónios ou da Saudade, as cinzas do Passado, com a pequena, humilde, frágil, mas constante Centelha que ilumina o Caminho da Tradição Primordial, abrindo, com a sua Luz, as portas do Futuro.

BOLETIM HY BRASIL Nº 2

Muitas são as Ilhas Mágicas que flutuam pelo Grande Mar do Fundo da Alma e em cada uma delas existem diversas lições que podemos aprender como Navegantes que somos. Hy-Brasil, a Ilha Afortunada, é um lugar mítico pautado nos alicerces do Amor, da Força e da Sabedoria que sustentam nossa Tradição e é para lá que esta publicação nos leva.
Ao nos lançarmos em uma viagem sobre as águas dos mistérios, deixamos para trás a estabilidade do porto seguro ao qual estamos habituados e iniciamos uma verdadeira aventura de descobrimento, onde o comodismo e o conformismo não tem espaço e onde precisamos ser agentes da nossa própria  transformação.
Suba a bordo desta embarcação conosco em direção ao Conhecimento e à Espiritualidade; compartilhe suas histórias e saberes e ouça a canção que nossos marinheiros contam sobre suas viagens. É hora de nos reunirmos como companheiros viajantes para seguirmos juntos nesta Immram em direção ao Mundo Branco, cada qual auxiliando seu irmão.
Que esta nova edição de nosso Boletim possa auxiliar os brasilianos em suas jornadas!
Que a Egrégora de nossa Tradição torne-se mais forte e mais bela a cada dia! Que nosso barco nos
leve à Terra Sagrada que buscamos!
"Terra à vista!", gritaremos da proa!
Avante, companheiros! Avante, brasilianos!
Avante em direção à Ilha Afortunada!
/|\Gaesum Bach

Filosofia da Espiritualidade

O QUE É A FILOSOFIA DA ESPIRITUALIDADE?

A resposta a esta questão é dada pelo próprio exercício filosófico, que é a reflexão que assume a Espiritualidade como tema seu. Assim, para cada filosofia da Espiritualidade em ato, haverá a sua própria definição do que seja «a» filosofia da Espiritualidade, isto é, a «sua» filosofia da Espiritualidade. Na prática, o âmbito real da filosofia da Espiritualidade como disciplina científica não é distinguível de todo o trabalho reflexivo que foi operado acerca do tema «Espiritualidade».

A SUA VISITA É A Nº:
SEDE DA ATDL:

Rua D. Francisco Xavier de Noronha

2800-092 Almada

SIGA-NOS NA REDES SOCIAIS:
  • Facebook ícone social
  • Twitter ícone social
  • YouTube ícone social
ENDEREÇO DO CENTRO DRUÍDICO:

São Pedro do Corval,

Reguengos de Monsaraz,

Évora, Portugal.

INFORMAÇÕES SOBRE  

Políticas de Privacidade & Cookies

© 2017 - POWERED BY:  ASSEMBLEIA DA TRADIÇÃO DRUÍDICA LUSITANA - ATCL - ORGANIZAÇÃO RELIGIOSA OFICIAL