A Revista da Tradição Lvsitana

Capa da edição inaugural da Revista da Tradição Lvsitana
Contracapa da edição inaugural da Revista da Tradição Lvsitana
Capa da Revista da Tradição Lvsitana nº 1
Contracapa da Revista da Tradição Lvsitana nº 1
Capa da Revista da Tradição Lvsitana nº 2
Contracapa da Revista da Tradição Lvsitana nº 2
Capa da Revista da Tradição Lvsitana nº 3
Contracapa da Revista da Tradição Lvsitana nº 3
Capa da Revista da Tradição Lvsitana nº 4
Contracapa da Revista da Tradição Lvsitana nº 4
capa rtl5_1.jpg
contracapa rtl5.jpg
capa_6.jpg
contracapa_6.jpg
RTL 7.png
RTL 7 contracapa.png

 

 

Editorial da Revista da Tradição Lvsitana nº 0

 

Este é o número inaugural da «Revista da Tradição Lvsitana» e o título Alquimia da Alma define o eixo temático central fixado para esta edição. Chamamos também a atenção do leitor para o nosso Momentum Metaxis, que vos informará das nossas reportagens. Metaxis é uma palavra de origem grega, cujo uso -  methexis – se atribui a Platão. Metaxis quer dizer, provavelmente entre muitas outras coisas, o nosso trânsito possível ou a nossa viagem passível entre mundos, a saber: entre as essências ou a reminiscência de ideias perfeitas e transcendentes … e a imanência sensível do mundo real e quotidiano. A nossa revista propõe, assim, a todos os leitores interessados ou irmanados na Tradição Primordial uma dupla viagem, a saber: pelas águas oceânicas da Tradição e pelo rio interior de si mesmos, em busca de uma foz que seja conhecimento esclarecido e responsável e felicidade partilhada nessa procura e descoberta comunitárias. Neste número abordamos temas caros à Tradição: O que é Sageza? De que História e histórias é feita a nossa Tradição? Que cantos e contos a narraram através dos tempos? De que corpo de vozes e experiências e testemunhos se fez e se faz o nosso Caminho? Através de que artes de Cura e Divinação se doou a Tradição aos outros? De que Bosques e Clareiras viemos e como os habitamos? De que palavras se diz a nossa Palavra? Neste número fazemos Comunidade partilhando Valor. A nossa Comunidade celebra Autonomia, Liberdade e inclusão de Todos os seres na Comunidade de Afectos que é a Tradição Lusitana. O nosso Projecto é a reintegração de Portugal nessa vasta comunidade de pertença que é a Lusitânea. A nossa Vocação é uma amorosa ética onto-antropológica. Evocamos a Lembrança do que fomos – do que sempre fomos – a continuidade de uma Tradição em Amor. Invocamos, presentificamos e actualizamos os Referenciais Matriciais da Tradição Lusitana. Vivemos em revolucionária Esperança de um Futuro que sempre foi hoje, agora e aqui, nesta Clareira Comunitária: Nós. Queremos mundar o mundo. Leitora e leitor Amigos, queremos que venham mundar connosco o mundo. Essa é a revolução maior que procuramos: realizar uma Alquimia da Alma na Alma Comum de todos nós.

 

P´la Direcção Editorial:  por Adgatia Vatos

Editorial da Revista da Tradição Lvsitana nº 1

 

 «(…) a nossa Tradição é Ancestral, mas não deve ser arcaica,

 isto é, não a devemos deixar disposta à obliteração pelos tempos.»

Druída /|\ Adgnatios, Endre da Lusónia

 

Estimadas leitoras e leitores da Revista da Tradição Lusitana, este número da nossa revista assinala um momento que é um marco histórico para a nossa Tradição: o encontro, na Irlanda, dos Três Guardiões da Aliança Druídica Celta, o Grande Druida da Irlanda, o Grande Druida da Lutécia e o Grande Druida da Lusónia. Confluência da Celtic Druid Alliance, no Celtic Druid Temple, que assinalou, na Celebração do Equinócio de Outono, a transmissão e encontro das linhagens e o juramento da Aliança Druídica Celta pelos três guardiões fundadores. Cerimónia participada por muitos irmãos e irmãs do continente europeu e americano, entre os quais se contavam inúmeros membros da Assembleia Druídica Lusitana. Este é, pois, um momento de festa e de plantio, de reencontro e de partilha para toda a nossa Comunidade e é também um tempo de germinação e recomeço, de vitalidade e de trabalho para a nossa Tradição. Neste número damos conta do nosso testemunho pelo Caminhar na nossa Tradição, tal como o vivemos, em cada trilho e em cada passo Comunitário. Caminhar em Comunidade significa também dar testemunho através de um Dizer em partilha responsável, livre, sustentada e nutrida pelos princípios da nossa Tradição, consciente pois, na mudança nos tempos, que sempre houve e da constância no Amor que desde sempre nos guia.

 Seja em prosa, seja em poesia, este número é oferenda e testemunho da Tradição em Nós. E por essa razão, nela desejamos realizar dizendo a Luz da Hiperbórea. Unimos, pois, as nossas pequenas vozes neste humilde canto de Celebração à Re-União e ao Re-Acender da Aliança Druídica Celta na sempiterna Luz da Hiperbórea.

P´la Direcção Editorial:  por Adgatia Vatos

Editorial da Revista da Tradição Lvsitana nº 2

«A mais profunda noção de Tradição refere-se sempre a um sentido constante do acontecer espiritual (…) ao longo dos tempos, o que não implica que esta seja apenas uma memória vã e que não possa ou não deva assumir diversas atualizações por via das diferenças nos tempos. É neste sentido que se diz que uma Tradição é antiga como o mar e nova como as ondas que a renovam pelos tempos, o que faz dela algo de profundamente vivo e dinâmico enquanto os seus cultivadores e cultivados lhe disponibilizarem o seu coração (…).»

/|\ Adgnatios - Arqui-Druida da Lusónia

 

 

«Le folklore fourmille d’histoires qui sont de vieux mythes, et les dances provinciales sont parfois les débris d’anciens choeurs sacrés. D’insoupçonées civilisations disparues s’évoquent à travers cês ruines, dont la signification s’est perdue, comme celles des menhirs, de la cavernes des gnômes ou de l’arbre des fées.»

 /|\ Philéas Lebesgue – Grand Druide des Gaules

 

 

Estimadas leitoras e leitores da Revista da Tradição Lusitana, neste nosso número evocamos e celebramos a Espiritualidade Atlântica que une a nossa Comunidade por esse mundo fora a partir dos mitos, das culturas e dos rituais que revisitamos, como Oceano comum que são da nossa Tradição, que aqui também dizemos Hiperbórea e Atlante. Caudalosa como os rios que nos unem e navegamos, ínfima como o secreto gotejar das fontes que marca o compasso dos nossos corações. Infinita como a respiração dos cursos de água na sua determinação, fado, ensejo e vontade de reunião nessa grande foz comum feita da matéria fluida da pluralidade de Vozes que em nós recontam e cantam os feitos, os trabalhos e os dias dos nossos Ancestrais.

Canto renascido na voz dos nossos Aedos… Atlântida desoculta ou reconstruída no Santuário Mãe ou no Lugar do Centro Druídico da Lusitânea, ou… no Lugar do Coração de todos e de todas nós.

P´la Direcção Editorial:  por Adgatia Vatos

Editorial da Revista da Tradição Lvsitana nº 3

«O eixo da nossa Tradição é Espiritual, ou seja, ela é um corpo-agente vivo e culturalmente ativo dentro de um vasto Território Espiritual que nós designamos como Céltia. (…) A Tradição ensina pelo exemplo dos seus membros, que em conjunto formam uma egrégora, grupo de caminhantes e buscadores do sentido espiritual. Deste modo, parece (…) perfeitamente tangível e até expectável que (…) se possa criar uma comunidade de valores com vista ao bem comum Espiritual, (…) em plena consonância com a Natureza, pois ela é o Livro da Tradição (…). Todos somos seres naturais, mas deixámo-nos descaracterizar. A vida no CDL [Centro Druídico da Lvsitânea] deve ser uma vida pautada pelo princípio de uma dignidade espiritual comum a todos os seres, na Mãe-Terra, com ela e por ela.»

/|\ Adgnatios – Arqui-Druida da Lusónia

 

 

Estimadas leitoras e leitores, bem-vindos ao terceiro número da Revista da Tradição Lvsitana. O redespertar da Pan-Céltia é o tema que convosco celebramos, numa partilha que se espraia desde o passado do que fomos, ao presente do que somos, até ao futuro do que queremos ser. O redespertar que aqui congregamos é feito de terras, ventos, rios e oceanos e daquela íntima Luz constante que desde sempre alumia os passos, os caminhantes e os caminhos da Pan-Céltia. Resgatá-la aos rios do esquecimento e abandono, voltar a soletrar os nomes sagrados e profanos das suas nascentes, reaprender o curso dos seus rios, os seus usos e modos, aportar aos seus deltas, vivenciar os seus rituais e festas, saber ser em arquipélago, adaptar os seus costumes e formas aos tempos vindouros, voltar a cantar os seus feitos e desventuras, passados, presentes e futuros, reerguer e cultuar cada uma das suas pedras, isto é, Viver em e a Tradição Primordial, é um dos objectivos deste volume, que humildemente acalentamos e intentamos realizar, número a número, passo a passo. Em cada capítulo deste nosso volume cada um de nós, cada um de vós partilha um bordão, como um passo no Caminho, conta uma história, no sentido mais nobre deste termo, partilha um Saber de experiência feito, dá-se em amor, como uma mão estendida durante uma caminhada íngreme, doa-se em palavras ou passos de um testemunho pessoal e transmissível.

O redespertar da Pan-Céltia reemerge de novo à Luz do Dia, vela connosco dentro da Noite, entardece nos fogos rituais e permanece aceso em brasa no nosso coração, amanhece em nós como uma nascente, clara, lúcida e nítida, em cada página, em cada linha, raiz de árvore, copa, folha. Pedra de Caminho. Venham caminhar connosco, leitora, leitor Amigos.

P´la Direcção Editorial:  por Adgatia Vatos

Editorial da Revista da Tradição Lvsitana nº 4

«Florir – é Conseguir – quem encontra uma Flor/E a olha desatento /Mal se apercebe/Da contribuição de pequenas Coisas// Para o Brilhante/ E Intrincado Empreendimento/ que ali surgia como a dádiva de uma Borboleta/ Ao Meio-Dia -// (…) // Não desiludir a Grande Natureza/Que A aguarda naquele dia -/Ser flor é uma grande responsabilidade.»

Emily Dickinson

 

 

«C[eltic] D[ruid] A[lliance] is a parent group looking to help or guide but never to control. I hope that more Celtic Druid groups join CDA and that by protecting individual expression of our indigenous traditions we are blessed with ever increasing uniqueness.»

Ard Druí /|\ Con Connor

 

 

 

 A Primavera aportou à Lusitânia Água fertilizadora e Luz inspiradora que nesta nossa Revista se manifesta na participação e união de Irmãs e Irmãos, Amigas e Amigos da Tradição Céltica em torno de um propósito comum, os «Lumes e Costumes na Tradição Céltica» como a Luz da Lareira Comunitária que aqui recordamos, preservamos, guardamos e recriamos.

Celebramos, também, neste número a construção, iniciada na Primavera passada, do nosso Nemeton Mātīr Nemet e do nosso Castro ou da nossa Roundhouse Céltica Lusitana no Centro Druídico da Lvsitânea, bem no coração das terras ancestrais dos Celtici, lugar que nos escolheu e acolheu e onde acolheremos, também, o próximo Encontro da Celtic Druid Alliance. O presente número desta nossa Revista celebra, deste modo, em lembrança do passado, alegria amorosa do presente e esperança no futuro da nossa Tradição Primordial comum, o Encontro e a União em Amor e Liberdade das Tribos Célticas na sua radical originalidade, diversidade, união e universalidade. À boa maneira Celta, sentamo-nos, sobre a Terra, em torno do Lume da fogueira, envoltos pelo Ar das brumas do anoitecer e partilhamos Vida até ao raiar da primeira Luz da aurora. Leitora e Leitor Amigos, venham sentar-se connosco na Roda, bem-vindos à Partilha!

P´la Direcção Editorial:  por Adgatia Vatos

Editorial da Revista da Tradição Lvsitana nº 5

“Desperte...
Acolha livremente a Luz do Espírito Universal e assuma o compromisso de a servir;

Defenda corajosamente a prevalência da Verdade;

Mantenha-se insubornável perante os bens materiais e indomado pelos poderes terrenos;

E tornar-se-á um Peregrino do Amor… uma voz feita de Luz e um Coração cheio de Natureza.”

Arqui-Druida /|\ Adgnatios

 

“If the path of the ancient Celts is the one you want to travel, do not be fooled by those who show you a clear way through a gentle countryside, since that is not the true spirit of the Celtic way which, although full of stones and thorns, it can teach you that the path is more important than the destination.”

/|\ Guardians and Council Members of the Celtic Druid Alliance (CDA)

 

 

Entre o ano que termina e o ano que começa, entre a Luz e o tempo Escuro, entre o Dia que fenece e a Noite que se inicia, fica a celebração de Samónios. Não é por acaso que escolhemos este acontecer da Liminaridade, do umbral ou da passagem entre mundos para lançar o presente número da nossa Revista da Tradição Lusitana, sob a égide do tema d’ A Supervivência do Sagrado. Aqui meditamos, rememorando, o nosso percurso no ano que ora finda, lembrando o nosso acontecer comunitário; aqui preparamos, em antecipação e com expectativa, o ano que há-de vir, em esperança partilhada por todas e todos. Leitora e Leitor Amigos venham connosco acender as Luzes de Samónios, percorrer os trilhos da supervivência do Sagrado.

P´la Direcção Editorial:  por Adgatia Vatos

Editorial da Revista da Tradição Lvsitana nº 6

“A Ética Espiritual Celta (..,) assume que a Ordem Transcendente da Criação emana diretamente do Incriado, a que se institui e afeta o seu carácter iniciático, razão pela qual todo o acontecer celta visa a preservação de uma autonomia digna, a promoção  e a defesa da prática de uma Espiritualidade harmoniosa e esclarecida.”

Arqui-Druida /|\ Adgnatios

 

“Freedom is not taught, it is lived”

Ard Druí /|\ Niamh Connor Celtic Druid Temple

Estimados leitores e leitoras da Revista da Tradição Lusitana, eis que aportamos ao número sexto deste nosso Caminho editorial que, passo a passo, vamos inscrevendo na Roda do Ano. Não é por acaso que coincidem os dois lançamentos semestrais da Revista da Tradição Lvsitana com as duas celebrações de liminaridade do nosso Calendário Celta, Samónios e Beltane, momentos privilegiados de atravessamento de Portais, de transcensão e de comunicação entre Mundos. Eis-nos, então, no presente número, face ao Portal de Beltane que o trás a Lume no contexto das festividades dos Maios Lvsitanos. 
Leitora e leitor Amigos… as fogueiras de Beltane já se alumiam pelas cumeadas dos montes e já dançam as moças e os moços em redor dos mastros, entrelaçando cânticos e fitas, as Canções dos Maios, … venham peregrinar connosco aos santuários sagrados, reacender as Fogueiras de Maio, partilhar cantos e danças primaveris, junto à fogueira e conhecer os cantos e contos,… as narrativas da Lvsitanea ditas por um crepitar de Lumes.

P´la Direcção Editorial:  por Adgatia Vatos

Editorial da Revista da Tradição Lvsitana nº 7

"A Grande Egrégora é a Comunidade a que pertencemos e o laço de pertença que a Ela nos liga é expresso na nossa maneira de ser, de estar, de agir e de sentir, mais até do que na língua e na história que partilhamos ou não dentro dessa Comunidade; é objectivado nas instituições que enquadram a nossa vida intercomunitária, como é o caso da Celtic Druid Alliance, que é a forma pela qual a nossa Identidade Colectiva Celta veicula ao mundo os seus valores fundamentais, daí a sua extrema importância para todos os grupos que a integram."

 

/|\ Adgnatios Arqui-Druida da Lusitânea

 

 

 

Estimadas leitoras e leitores da Revista da Tradição Lusitana, eis-nos chegado ao Portal de Samónios, ao fim de uma Roda do Ano e ao início de outra. Tempo, pois, de aferir do valor das nossas realizações comunitárias, tempo de fecho de um ciclo e de abertura de outro. Este tempo-sem-tempo e este espaço-sem-espaço de Samónios é particularmente significativo para a ATDL. Estes últimos três anos, transcorridos entre o primeiro Gathering da Celtic Druid Alliance, na Irlanda, e o segundo Gathering realizado em Portugal, foram um tempo de intensos trabalhos e tribulações para a ATDL que empreendeu a Obra da Construção do Centro Druídico da Lvsitânea, no espaço identificado como o lugar onde outrora havia existido e sido a Casa da tribo dos Celtici, em pleno Além Tejo, entre os rios Tagus e Anas.

Será também, a partir de agora, neste novo Ano da Roda que se iniciará um tempo de novos trabalhos, investigações e partilhas, no espaço do Centro Druídico, dando, assim, a ATDL continuidade ao seu labor, através de Celebrações, Festividades, palestras e… novas construções materiais e espirituais, ao redespertar da identidade e da pertença célticas no lugar mesmo da sua eclosão e, neste tempo outro de actualidade. Fazendo Tempo e Espaço para que a Lembrança e a Esperança de uma Ancestralidade, uma ascendência e uma descendência proto-celtas e celtas aconteçam, como aquela linha contínua que liga, na Fogueira da Celebração do Samónios ou da Saudade, as cinzas do Passado, com a pequena, humilde, frágil, mas constante Centelha que ilumina o Caminho da Tradição Primordial, abrindo, com a sua Luz, as portas do Futuro.

P´la Direcção Editorial:  por Adgatia Vatos

A Revista da Tradição Lvsitana, cujo lançamento oficial decorreu em Maio de 2016, contém nos seus números os seguintes editoriais:

A SUA VISITA É A Nº:
SEDE DA ATDL:

R. D. Francisco Xavier de Noronha,

nº 23, cv/dta - 2800 - 092 Almada

SIGA-NOS NA REDES SOCIAIS:
  • Facebook ícone social
  • Instagram ícone social
  • Twitter ícone social
  • YouTube ícone social

© 2017 - POWERED BY:  ASSEMBLEIA DA TRADIÇÃO DRUÍDICA LUSITANA

ENDEREÇO DO CENTRO DRUÍDICO:

Estrada CM-1224- 2, Aldeia do Carrapatelo, Freguesia de São Pedro do Corval,

Concelho de Reguengos de Monsaraz,

distrito de Évora, Portugal.

Políticas de Privacidade & Cookies

INFORMAÇÕES SOBRE  

Contracapa da Revista da Tradição Lvsitana nº 1